sexta-feira, 27 de maio de 2011

A liderança cristã na atualidade

INTRODUÇÃO

Liderança é o processo de conduzir um grupo de pessoas a um objetivo comum.
Líder é aquele que recebe tal responsabilidade, assumindo o compromisso de levar o grupo àquele objetivo.
Portanto, liderar exige conhecimentos, técnicas e aprendizado contínuo no trato de pessoas.
Não confunda administrar coisas com liderar pessoas!
Liderar não é administrar templos, finanças, organizações. Você pode ser um ótimo administrador das finanças da sua igreja, por exemplo, e não ter nenhuma liderança nesta área.

1 – FOCOS DO LÍDER:

PESSOAS: elas são o alvo da liderança. Não se lidera coisas, lidera-se pessoas!
OBJETIVO: sem objetivo, o grupo se perde, o líder não sabe para onde liderar seu grupo. Um objetivo principal. Exemplo: EBD – objetivo: levar almas ao conhecimento de Jesus, através do ensino da Bíblia.

2 – ESTILOS DE LIDERANÇA:

Autocrática: decide tudo sozinho. Não dá espaço para novos líderes. Exigente. Foco nos “resultados” e não nas pessoas.
Democrática: não decide nada, deixa tudo para que os liderados decidam. Foco nas pessoas e não no objetivo.
Volúvel: vai de acordo com a “onda”. Muda o objetivo de acordo com “as novidades”.
Detalhista: perde-se em detalhes e perfeccionismos. Preocupa-se mais com os métodos que o objetivo.
Responsável: assume a responsabilidade da liderança, motivando o grupo a atingir o objetivo. Trabalha com foco nas pessoas sem perder de vista o objetivo.

3 – TÉCNICAS DO BOM LÍDER:

COMUNICAR: informar de maneira clara, direta e simples. Transmitir a visão da necessidade de conseguir o objetivo.
DELEGAR: acionar os recursos dos seus liderados (“dons”) na direcão do objetivo. Fazer com que 1+1 seja igual a 3, e não 2. Organizar tarefas e íunções. Formar equipes.
INOVAR: aceitar mudanças e novas ideias. A única coisa que o bom líder não cede é quanto ao objetivo. No caso do líder cristão, não cede quanto á doutrina bíblica.
MOTIVAR: incentivar novas lideranças. Elogiar. Estimular a participação dos liderados nos processos que levam ao objetivo final. Ser exemplo de conduta.
PLANEJAR: ter uma visão de longo prazo, definindo prioridades. Treinar as lideranças. Adotar metodologias compatíveis com os objetivos.

4 – EXEMPLO DE LIDERANÇA; JESUS:

Seu objetivo: salvar os homens do pecado, do mal e da morte.

Comunicou: sua mensagem de amor e nova vida, na linguagem do povo da época (parábolas). Pregou em aramaico (língua corrente da Palestina).
Delegou: a missão de espalhar a mensagem de salvação a todo o mundo.
Inovou: rompeu com as arcaicas tradições religiosas da época. Ensinou ao ar livre, concedeu perdão a prostitutas e cobradores de impostos, curou no sábado.
Motivou: enviou Seu Espírito para que seus discípulos saíssem das easas-esconderijos. Foi exemplo de conduta em todas as áreas humanas.
Planejou: deu ordens específicas (“amai-vos uns aos outros…” etc.) e escolheu 12 homens para a liderança, treinando-os durante 3 anos.

5 – A ESCALA DE VALORES DO LÍDER CRISTÃO

1) CRISTO
2) PESSOAS
3) IGREJA
4) EU

O objetívo é: “Servir a Cristo e Seu Reino, como embaixadores” (Mt 6.33,2 Co 5.19-20)
A prioridade é: “Almas.” (Mt 28.18-20)
O método é: “Missionário, através do Corpo de Cristo (a Igreja)” (Mt 16.18-19)
O menor servo é: “eu” (Mc 19.35, Lc 9.46-48)

6 – AS 10 BEM AVENTURANÇAS DE UM LÍPER:

Bem aventurado o líder que não busca posições elevadas, mas que foi convocado ao serviço pela sua habilidade e disposição de servir.
Bem aventurado o líder que sabe para onde está indo e como chegar lá.
Bem aventurado o líder que não fica desencorajado e que não apresenta alegações para isto.
Bem aventurado o líder que sabe liderar sem ser ditador. Os verdadeiros líderes são humildes.
Bem aventurado o líder que busca o melhor para os seus liderados.
Bem aventurado o líder que lidera conforme o bem da maioria e não segundo a gratificação pessoal de suas próprias ideias.
Bem aventurado o líder que desenvolve líderes ao liderar.
Bem aventurado o líder que marcha com o grupo, interpretando corretamente os sinais do caminho que conduzem ao sucesso.
Bem aventurado o líder que tem a sua cabeça nas nuves, mas os seus pés na terra.
Bem aventurado o líder que considera a liderança como uma oportunidade de servir.

7 – LIDERANÇA – BARREIRAS E ERROS;

Barreiras à delegação do poder

Desejo de segurança e “status” – O único líder verdadeiro é aquele que se reproduz!
Resistência à mudança.
Falta de auto-estima.
Só os líderes seguros são capazes de doar.
As melhores coisas acontecem somente quando você dá a fama aos outros.

8 – O LÍDER MEDÍOCRE;

Têm que estar sempre certos: Eles precisam sempre ganhar as discussões, forçar as pessoas a concordarem com elas e lazer tudo do seu jeito. Seu ego nunca permite que eles aceitem que estão errados ou que cometeram um erro. Isso acaba destruindo qualquer possibilidade de criatividade ou inovação dentro da equipe.
Perdem a calma por qualquer coisa: A maioria dos chefes medíocres usará sua raiva e temperamento explosivo para controlar ou intimidar os outros.
Externam seus problemas jogando a culpa nos outros: Ao fazer isso, ao invés de ajudar a resolver o problema e evitar que ele ocorra novamente, só conseguem aumentar os ressentimentos e a desmotívação dentro da equipe.
Têm pouca tolerância e nenhuma paciência: Tendem a desrespeitar e diminuir sua equipe, tornando bastante desagradável o ambiente de atividades, matando a paixão e a energia de todos.
Têm sérios problemas para controlar-se: A maioria dos líderes medíocres têm que estar permanentemente no controle. Sentem-se perdidos ou desconfortáveis quando algum outro está no comando. Acreditam que têm todas as respostas, e acham que sempre devem ter a resposta certa,
Têm medo de delegar: rodeiam-se de pessoas parecidas com eles na forma de pensar, acreditar, comportar e mesmo de vestir. Depois tratam essas pessoas como se fossem escravos sem cérebro, que existem apenas para seguir suas ordens e produzir os resultados adequados. Obviamente, isso acaba matando a liberdade de expressão, a diversidade e qualquer possibilidade de mudança!
Não têm um propósito maior na vida: A maioria dos líderes medíocres se preocupam mais com as estatísticas do que as pessoas. Cobram sem parar, e perturbam o ambiente, ao invés de estimular as pessoas.
Não têm a habilidade de reconhecer sinceramente: Não conhecem as pessoas pelo que elas são -somente pelo que produzem. Ao serem questionados sobre o assunto, já que existem beneficios comprovados em cuidar do lado humano da equipe, os medíocres sentem-se altamente desconfortáveis, pois se são incompetentes em lidar com suas próprias emoções, imagine então com a dos outros.
Têm baixíssima inteligência emocional: Enquanto muitos medíocres tem níveis altos de inteligência e treinamento, com formação em Universidades famosas e muito conhecimento técnico, tendem também à pobreza nas qualidades pessoais, de personalidade e caráter fundamentais para liderar e inspirar uma equipe. Este deíèito acaba provocando reflexos em outras áreas, como por exemplo, constantes mudanças nos trabalhos e planos.
Não têm autenticidade e honestidade: acha que pode enganar o público com pequenas mentiras, meias verdades e falsas promessas, esquecendo-se que com estes ‘pequenos detalhes1 na verdade estão cavando sua própria ruína.As pessoas podem até esquecer-se de algo que você tenha feito ou dito – mas nunca se esquecerão de quem você é, como é e como as tratou. O mundo é pequeno – trate-as bem!

Liderança – um desafio ao serviço

A verdadeira liderança não pode ser concedida, nomeada ou atribuída. Deve ser conquistada O líder tem que inspirar a confiança e merecer o respeito de seus liderados.

9 – PRINCÍPIOS DE LIDERANÇA:

Os lideres tocam o coração antes de pedir ajuda:

Você não pode estimular as pessoas à ação a menos que primeiro as estimule com a emoção. O coração em primeiro lugar, depois e cabeça. Quanto mais fortes a relação e a ligação entre as pessoas, maior será a probabilidade do consenso e da união. Mesmo num grupo você precisa se relacionar com cada pessoa individualmente. As pessoas não se preocupam com o quanto você sabe até que saibam o quanto você se preocupa com elas. Para liderar a si mesmo use a cabeça; para liderar os outros, use o coração.

O potencial de um líder é determinado pelas pessoas mais próximas dele:

Se as pessoas são fortes, o líder pode realizar grandes coisas. Se são fracas, nada feito. Essa é a lei do círculo íntimo. Quando você forma a equipe certa, o potencial dispara. Não existem líderes do tipo “Aventureiro Solitário”. Se você está só, não está liderando ninguém. O líder encontra grandeza no grupo, e ajuda os membros a encontrá-la em si mesmos. Pense em qualquer líder altamente eficaz, e achará alguém que se cercou de um forte círculo íntimo.

Não existe sucesso do dia para a noite. Liderança é aprendizado:

É a sua capacidade de desenvolver e lapidar as suas habilidades que distingue os líderes dos seus seguidores. O segredo do nosso sucesso está nos compromissos diários. Líderes são aprendizes. Liderança é como investimento; rende juros, mas exige: respeito, experiência, força emocional, habilidade com pessoas, disciplina, visão, ímpeto e senso de oportunidade.
A verdadeira medida da Liderança é a influência – nada mais, nada menos:A emergência de um Líder – ‘Você alcançou excelência como Líder quando as pessoas o seguem aonde você for, mesmo que por mera curiosidade.” A verdadeira liderança não pode ser concedida, nomeada ou atribuída.
Qualquer um pode pilotar o barco, mas só um Líder sabe traçar o percurso:As pessoas precisam de líderes capazes de navegar eficientemente. Os navegadores vislumbram a viagem com antecedência. ” O líder é aquele que vê mais do que os outros, que vê mais longe do que os outros, que vê antes dos outros”. Leroy Eims
Quando o verdadeiro líder fala, as pessoas ouvem: Os olhos revelam (em uma reunião):
Quando alguém fez uma pergunta, para quem olham as pessoas?
Quem. elas esperam ouvir?

O verdadeiro teste de liderança não é o ponto de partida, mas o ponto de chegada.
Sete aspectos fundamentais na vida dos líderes que os azem se destacar:
Caráter, Relações, Conhecimento, Intuição, Experiência, Êxitos passados e Capacidade.

Só líderes seguros delegam poder aos outros:

Existem líderes que tem o hábito horrível de se livrar dos líderes fortes. O melhor líder é aquele que tem percepção suficiente para escolher homens competentes que façam o que ele quer que se faça, e autodomínio suficiente para não se intrometer no trabalho deles. O modelo de liderança de delegação do poder, no qual todas as pessoas recebem funções de liderança, se opõe ao poder da posição. A capacidade que as pessoas tem de realizar é determinada pela capacidade que tem o seu líder de delegar poder. O líder sabe exaltar os pontos positivos de seus liderados, bem como identificar os pontos críticos e lidar com eles, advertindo, aconselhando e discutindo as soluções.

Credibilidade: A intuição aponta caminhos que não são tão óbvios nem tão facilmente explicáveis. Experiência não garante credibilidade, mas encoraja as pessoas a lhe dar uma chance de provar que você é capaz. A atuação das duas é ponto forte para a credibilidade do líder.

10 – REQUISITOS PARA SER UM BOM LÍDER:

Tanto os que ia são líderes como os que esperam ser, devem estar conscientes dos seguintes requisitos:

Características da liderança evangélica

Capacidade de liderança é um dom de DEUS.
Essa capacidade dever ser desenvolvida pela educação, instrução e treinamento.
No reino de DEUS a liderança dever ser exercida por aqueles que demonstram desejo de servir e não de “aparecer’. O evangelho em si é um serviço de DEUS aos homens e destes aos seus semelhantes. Examine-se e veja se o seu desejo é motivado pelo desejo de servir ou, de ser reconhecido.
Facilidade de expressão e conhecimentos gramaticais ajudam o líder na tarefa de “comunicar”. Quanto melhor fora a vida devocional do líder, melhor será a sua liderança.
Todo líder deve conhecer “regras parlamentares”. Isso o ajudará na direção de reuniões ou assembleias de caráter administrativo.
Ao líder não pode faltar o conhecimento básico de “boas maneiras”; isso o ajudará no seu intercâmbio social.
Conhecimento específico e profundo do que diz respeito ao seu campo de ação e generalizado, em outros assuntos, são necessários ao bom líder.
Firmeza, humildade e amor, precisam estar juntos, sempre, na ação do líder evangélico. Pontualidade nos compromissos e horários, deve ser uma característica marcante do líder cristão.
Não se pode exercer uma boa liderança sem conhecimento profundo da vida e dos problemas dos liderados.
Para ocupar um posto de liderança é preciso conhecer bem a história, princípios, leis, estatutos, regimento e tudo mais que diga respeito à organização onde será exercida a liderança.
Conhecer bem as Escrituras e as Doutrinas que caracterizam o grupo, igreja ou denominação, são essenciais a uma liderança capaz e eficiente.
Acerto na escolha de auxiliares dera tranquilidade ao líder.
Administração em grupo (diretoria) com distribuição de tarefas, deverá manter a unidade na pluralidade de ação.

O líder evangélico ao ter que tomar uma decisão deve observas o seguinte:

Princípios de liderança evangélica

Nada se faz sem consultar a DEUS. Um razoável período de oração deve preceder cada decisão.
Nada se faz que não seja do interesse ou para o bem geral do grupo.
Nada se faz sem a aceitação do grupo. A unanimidade nas decisões é o ideal. Mais de dez por cento do grupo contrário a qualquer decisão, deve fazer com que o assunto fique sobre a mesa para reestudo.
Nada se faz sem consultar pessoas que já tiveram o mesmo problema ou pessoas mais experimentadas.
Nada se faz sem ouvir opiniões contrárias, quando há. Nada se faz sem estudar as várias soluções oferecidas. Nada se faz sem estudar as vantagens e desvantagens.
Nada se faz sem ter, pelo menos, três orçamentos (em se tratando de serviços entregues a terceiros).
Nada se faz sem avaliar as possibilidades económicas e financeiras.
Nada se faz sem organizar um esquema de execução.

O homem de DEUS que quer colocar-se nas mão d’Ele para servi-lo deve ainda lembrar-se dos:

Cinco pilares do serviço cristão
DEUS quando chama tem um trabalho para lhe dar. No reino de DEUS não há banco de reserva.
DEUS quando chama tem um local para você servi-Lo. Isso não significa que o seu trabalho não possa ser ítinerante.
DEUS quando chama, capacita o obreiro para o trabalho, ou dá o trabalho de acordo com a capacidade do obreiro.
DEUS quando chama tem um salário razoável para o obreiro. ELE não pode ser um mau patrão.
DEUS quando chama tem a solução pra todos os problemas que essa chamada porventura possa ocasionar.

Qualquer obreiro que esteja em dúvida quanto à sua posição, deve fazer-se as seguintes…

Perguntas elucidativas
Fui realmente chamado por DEUS para fazer o que estou fazendo, no lugar onde estou?
O que faço, o faço da maneira como o Senhor deseja que isso seja feito?
Estarei forçando uma situação?
Posição social, remuneração, comodidades, interesses pessoais ou familiares estarão bloqueando um decisão acertada?
Estará na hora de pensar em mudança de campo ou de atividade?

Ser líder não deve ser tomado como uma honra e sim como uma oportunidade de servir a DEUS. O homem servir a DEUS, isso é uma HONRA, mas não se pode servir a DEUS sem servir aos homens. Antes de ser um líder entre os homens você precisa ser um humilde servo diante de DEUS.

Pr. Josias Moura de Menezes.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Felicidade é contagiosa?

Gilberto Dimenstein(*)


Um estudo lançado pela Faculdade de Saúde Pública de Harvard, acompanhando 5.000 pessoas por 20 anos, mostrou evidências de que pessoas felizes tendem a transmitir essa sensação entre familiares e amigos, como se fosse um contágio --tristeza também se propaga, mas em menor intensidade.
Esse tipo de informação faz parte de um esforço de Harvard de encarar a felicidade, objeto do besteirol de autoajuda, cientificamente. Daí ter sido criado na escola de medicina a 'ciência da felicidade', usando as novas tecnologias para mapear o cérebro. O que se descobre ali é aplicado em hospitais. Ou até em políticas públicas: professores da universidade estão orientando prefeitos a criar um índice de felicidade.
Ou seja, essas descobertas podem ter implicação em decisões individuais e coletivos. Os estudos mostram por exemplo que, ao contrário do que se imagina a vontade de adquirir coisas e ser feliz gera menos satisfação, na área de recompensas do cérebro, do que uma vida simples, como o convívio com a natureza, com amigos ou a solidariedade.

...
Coloquei no Catraca Livre (www.catracalivre.com.br) vídeo com uma palestra de um professora da ciência da felicidade de Harvard. Com um botão, você aciona a tradução em português.

(*) Gilberto Dimenstein, 53 anos, é membro do Conselho Editorial da Folha e criador da ONG Cidade Escola Aprendiz. Coordena o site de jornalismo comunitário da Folha.

terça-feira, 10 de maio de 2011

Quando o líder explica, todo mundo entende

Alessandra Assad

Para ser um líder é preciso comunicar para a mente, o coração e as mãos das pessoas. Quando ouvi essa frase do grande guru Blaine Lee, em uma conferência da HSM Group, no final do ano passado, ficou claro que a semente que sempre trouxe comigo de forma empírica não estava indo por caminhos tortuosos. Só faltava mesmo fundamentá-la um pouco melhor com atitudes no dia-a-dia, que muitas vezes se tornam truncadas pela simples razão de existirem quando se tenta entrar no cotidiano da prática da liderança de equipes não-lineares.
Temos de entender que a realização só se faz e só acontece por meio das pessoas. E elas precisam de informações para ter noções e assumirem adequadamente as suas responsabilidades.
Aliás, a responsabilidade é uma via de mão dupla e tem uma importância muito grande em todos os processos das empresas. Mas ninguém percebe isso quando você não comunica. E não estou falando de cartazes, e-mails, memorandos internos ou jornais-murais, os quais, diga-se de passagem, têm suas funções para a comunicação corporativa e são eficazes.

Decisões compartilhadas
Como líderes, ao comunicarmos qualquer informação, desde a mais irrelevante àquela que vai mudar toda a estratégia de trabalho, precisamos estar cientes de que devemos olhar nos olhos de cada um, explicar o porquê das coisas, fazer com que entendam a importância que têm em todo o processo. Haverá uma grande diferença no resultado final caso essa comunicação venha recheada de ruídos, sombras ou tempestades. E como fazer isso sem parar os processos, sem fazer com que as pessoas percam em produtividade, sem interromper o trabalho que estão realizando, muitas vezes apenas para comunicar que o horário dela vai mudar a partir de amanhã?
Simplesmente perguntando a que horas fica melhor para ela trocar uma idéia com você, dizendo que tem algo importante para decidirem juntos, mas que isso não pode atrapalhar a sua performance do dia. Certamente seu colaborador vai cooperar para encontrar um horário rapidamente e estará na sua sala muito antes do previsto. E o que era para ser um comunicado, pode se tornar uma solução, quando você faz com que as pessoas participem das decisões e opinem sobre elas.

Poderes e atribuições
Se você quiser ter muito sucesso, ame as pessoas e pense nelas. Faça com o coração, porque elas perceberão a sinceridade quando estiverem em sintonia com os seus sentimentos. Lembre-se de que sem envolvimento não existe comprometimento. E o que isso representa? Representa deixar o ego do lado de fora, ter consciência de que a vaidade só atrapalha, saber que um líder não pode se esconder quando as coisas vão mal, embora deva ser transparente, acessível e lembrar de que as pessoas gostam de carinho, que também têm egos, mas que você não precisa passar as mãos na cabeça delas. Apenas falar a verdade e ter conhecimento dos seus riscos pode ser uma boa. Conhecer seus limites, poderes e atribuições e fazer com que a equipe os conheça melhor do que você mesmo para poder servi-los é, sem dúvida, um excelente ponto de partida para que tenhamos ordens claras com execuções precisas. Afinal, como sempre enfatiza o grande Bernardinho, “líder é aquele que tem princípios e valores que inspiram as pessoas”. E a comunicação ajuda a criar um ambiente com clima positivo no trabalho. Às vezes, é melhor trabalhar de forma inteligente do que trabalhar mais.
Como nosso guru Blaine Lee de bobo não tem nada, faço das palavras dele as minhas frases finais para este artigo: "saber e não fazer é não saber. Nós, líderes, queremos a cabeça (a inteligência), o coração (as emoções que geram comprometimento) e as mãos (que executam). ”Tá vendo só como é fácil?" Quando alguém explica, todo mundo entende.

Cinco dicas para líderes aplicarem com suas equipes de trabalho:
1 – Estimular a autoconfiança.
2 – Satisfazer necessidades e não vontades.
3 – Fornecer aos liderados o que eles precisam, e não o que querem.
4 – Servi-los e não querer que eles o sirvam.
5 – Brigar muito mais por eles para brigar muito menos com eles.

Fonte: www.lideraonline.com.br

Por que selecionar e treinar líderes?

Trajano Maciel (*)

Ao analisar os diversos modelos pastorais existentes e emergentes, em decorrência do crescimento natural da igreja, nota-se uma multiplicidade de idéias e desejos que afloram tanto em busca do servir ao próximo como o do servir ao ego. A teologia bíblica revela que o exercício pastoral é essencialmente: cuidar, orientar e dirigir, ou seja, cuidar de perto daqueles que necessitam de cuidados especiais, tanto naturais como espirituais.

Um pouco de confusão

A verdade é que existe um número excessivo de pessoas que estão confundindo ministério pastoral com “ministério pessoal”. Em algum momento acontece um desvio de motivação e aquilo que deveria ser vocação passa a ser emoção; aquilo que deveria ser altruísta passa a ser egoísta; aquilo que deveria ser alegria passa a ser angustia; aquilo que deveria ser leve passa a ser um pesado fardo. A realidade é dura e mostra que muitas ovelhas estão sem pastor. A bíblia questiona: onde estão os pastores que pastoreiam? Onde estão os pastores que amam suas ovelhas e seus ofícios? Por três vezes Jesus perguntou a Pedro se ele o amava. Pedro imediatamente disse sim então Jesus disse, “apascenta minhas ovelhas”.

Para um problema, uma opção

Existe um problema: a prática pastoral tem deixado a desejar. Detectado o problema, resta desenvolver uma pesquisa com base em experiência vivida e fundamentos bíblicos, para que o resultado permaneça e seja instrumento de alavancagem para o ministério pastoral, isto é, para a igreja que deseja exercer a missão integral.
Para que a estrutura fundamental de um corpo social, a igreja, seja eficiente e flexível conforme a necessidade, em função dos diversos níveis de crescimento, há de se estabelecer um eixo central, funcionando como uma coluna vertebral. Em torno desse eixo serão organizados todos os elementos (ministérios) que sustentarão esse corpo (instituição igreja), e esse eixo central será o fornecedor de pessoas que estarão conduzindo e administrando o crescimento. Portanto, a proposta é que esse eixo central seja o programa de seleção e treinamento para líderes, oferecendo subsídios para que as pessoas comuns, leigos, possam tomar conhecimento do movimento amplo e dinâmico que esse corpo produz. Esse programa oferecerá, em todo tempo, um referencial teórico à luz da Palavra de Deus.

Deus também sonha com algumas coisas
Seleção e treinamento de líderes fazem parte dos sonhos de Deus para sua igreja, por isso, devem ser o sonho de toda a igreja. Para que esse sonho seja uma realidade, será necessário que alguns “porquês” sejam respondidos.

Por que um líder?
Porque alguém precisa tomar a iniciativa e garantir que projetos sejam executados. Porque alguém precisa ser responsável pelo bom desempenho dos ministérios que Deus confia a seus filhos e os mesmos, por meio da igreja, apresentam ao mundo.

Por que treinar líderes?
Porque Jesus treinou líderes. Porque as pessoas sabem o que devem fazer, porém, muitos não sabem como fazer.

Por que selecionar líderes?
Porque Jesus selecionou. Nem todos estão dispostos a pagar o preço da liderança cristã, que exige muito empenho e dedicação.

Por que escolher um modelo de seleção de líderes?
Porque existem vários modelos e nem todos apresentam resultados eficientes, e nem todos estão configurados conforme a vontade de Deus. Dentre os modelos pode ser citado alguns como: eleição; exclusão; oração e discernimento. Oração e discernimento são modelos bíblicos que Jesus deixou para sua igreja. Jesus fez dessa forma, ou seja, ele discerniu, em alguns homens, requisitos básicos que Deus estipulou como: homens capazes; homens tementes a Deus; homens de verdade; homens que aborreçam a avareza.

Como descobrir esses requisitos?
Criar ambientes favoráveis para a prática dos requisitos é o melhor e mais seguro caminho. A responsabilidade de separar e treinar líderes são da igreja. A responsabilidade de reconhecer o chamado, oferecer oportunidades de liderança, preparar e ordenar para o ministério é exclusivamente da igreja.
Dessa forma, cada igreja precisa desenvolver um projeto de seleção e treinamento de líderes e mantê-lo como eixo central. Paralelamente a isso criar um núcleo de ensino para manutenção de lideres em atividade. O modelo cada um adequará á sua realidade, porém, é fundamental desenvolver um projeto com único e exclusivo objetivo de selecionar, treinar, enviar e manter líderes equipados e fiéis. Dessa forma, pode-se dizer que: seleção, treinamento e manutenção de líderes em atividade fazem parte dos sonhos de Deus para sua igreja.

do www.institutojetro.com

(*)Trajano Maciel - Bacharel em Teologia e Doutor em Ministério, pela Faculdade Teológica Sul Americana. É pastor do Ministério de Adolescentes na Comunidade Nova Aliança de Londrina.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Grupos do Google
Receba em seu e-mail, Textos Reformados Selecionados
E-mail:
Visitar este grupo