sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Em seus passos o que Jesus jamais faria?


Pablo Massolar

"Em seus passos o que faria Jesus?" Este é o título de um livro escrito por Charles Sheldon e publicado originalmente em 1896, nos Estados Unidos, com o título "In His Steps".
A obra conta a história de Henry Maxwell, pastor da Primeira Igreja da cidade de Raymond, que vive honestamente sua vida confortável e sem contratempos, até o dia em que surge em sua igreja um homem pobre e necessitado. O episódio o leva a questionar seus próprios valores, o seu modo de vida e prioridades, colocando diante de si a inquietante questão: "O que Jesus faria?".
A partir disso, decide propor aos fiéis de sua igreja que se comprometam durante um ano a não fazerem nada sem antes perguntarem o que Jesus faria na mesma situação. O desenrolar da história descreve as experiências, tanto de satisfação e realização pessoal, como também de conflito e incompreensão que vão enfrentando à medida que se empenham em levar adiante o desafio proposto.
Hoje em dia há tanta gente doente e inescrupulosa dizendo agir "em nome de Jesus", proclamando da boca para fora "seguir os passos de Jesus", mas negando-o nas atitudes, enganando, extorquindo, manipulando e oprimindo que fica difícil encontrar Jesus, de verdade, nos passos destes. Ainda que eles gritem ou cantem nervosamente o nome de Jesus o tempo todo e façam até alguns aparentes sinais milagrosos.
Algumas vezes a imagem e referência do Jesus dos Evangelhos se apaga e se confunde com tanta demonstração tosca do que querem erroneamente fazer parecer Jesus, mas nem de longe se parece efetivamente com os passos de Jesus.
Mais do que levantar questões meramente morais ou culturais, percebo a urgência de esclarecer o que não representa e jamais se veria na vida prática do verdadeiro Jesus dos Evangelhos.
Acredito que boa parte do engano se dá pelo fato das pessoas não lerem e não conhecerem minimamente os Evangelhos, além da grande distorção que se faz com as escrituras por dinheiro ou para fazer perpetuar os domínios aprisionantes das instituições e dos rituais de poder humano.
Jesus jamais exigiu sacrifícios pessoais, esforço financeiro ou físico, presentes ou qualquer tipo de oferta para abençoar, curar, salvar, purificar e orientar as pessoas a sua volta.
Jesus jamais utilizou seu poder como estratégia de marketing pessoal. Embora os milagres fossem um sinal para que as pessoas cressem, e muitos o buscavam por causa dos prodígios e do pão que era multiplicado milagrosamente, Jesus jamais utilizou isso para segurar o povo a sua volta.
Jesus jamais distribuiu pão só para garantir plateia e ter a quem evangelizar.
Jesus jamais rejeitou qualquer pessoa por não professar a fé da mesma forma que ele a professava e a entendia. Mesmo Jesus frequentando sinagogas, tendo nascido no judaísmo, jamais deixou de andar e falar com pagãos, gentios, pecadores e toda sorte de gente considerada impura para os padrões da lei de Moisés.
Jesus jamais deixou a lei da religião ser mais importante que a vida e a misericórdia.
Jesus jamais deixou de amar. Jamais recusou a mesa e a comunhão mesmo a quem ele, de antemão, já sabia que o trairia. Até diante da angústia, do medo e do abandono, Jesus jamais se deixou ser vencido pelo rancor.
Jesus jamais usou em benefício próprio a influência que exercia sobre os discípulos.
Jesus jamais ensinou expandir o Reino através do acúmulo de bens ou da construção de templos.
Jesus jamais fez conchavos políticos, acordos com Roma ou com a religião dominante em troca de favores, cargos e liberdade para continuar pregando o que e onde bem quisesse.
Jesus jamais deixou de dizer a verdade por medo ou conveniência.
Jesus jamais disse a verdade para agredir, ofender ou provocar vaziamente.
Jesus jamais disse a verdade só para provar que estava certo.
Jesus jamais usou a verdade, ao contrário, se deixou ser usado por ela.
Jesus jamais denunciou o pecado sem amor, de forma constrangedora, ameaçadora ou sem acolher até as últimas consequências o próprio pecador envolvido.
Jesus jamais tratou os pecados particulares das pessoas de forma pública e vexatória.
Jesus jamais se deixou levar pela aparência externa. O que o fazia se desdobrar em misericórdia era a sinceridade interior e despretensiosa.
Jesus jamais ficou indiferente ao sofrimento, fosse ele de ordem psíquica, espiritual ou física.
Jesus jamais tratou com diferença pobres e ricos. Se alguma diferença ficou evidente, jamais foi contra a justiça.
Jesus jamais deixou de ser humano, mesmo sendo Deus se fez servo de todos.
Muitas outras coisas jamais se encontrariam no espírito e nos passos do Jesus dos Evangelhos, da Palavra de Deus feita carne, materializada e revelada definitivamente aos homens. Os passos de Jesus são reconciliadores, libertadores e despertam para a vida ainda que tudo a sua volta seja caos e morte. O que não se enquadra no Deus que se entrega por amor e misericórdia não cabe nos passos de Jesus.
O Deus que jamais se deixa enganar nos ensine a discernir nossos passos e nos abençoe rica, poderosa e sobrenaturalmente!

Texto originalmente publicado no blog do autor, que gentilmente o cedeu para publicação no Instituto Jetro.

Reprodução Autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o autor e o site www.institutojetro.com e comunicada sua utilização através do e-mail artigos@institutojetro.com

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

18 coisas que não me arrependerei de fazer com meu marido


POR AILEEN CHALLIES

Aqui é a Aileen (esposa do Tim)! Depois que Tim escreveu 18 Coisas que Não me Arrependerei de Fazer com Meus Filhos e 18 Coisas que Não me Arrependerei de Fazer com Minha Esposa, algumas pessoas entraram em contato perguntando se ele poderia completar com um artigo feito por uma esposa para seu marido. Ele não pretendia fazer isso quando começou a escrever, mas achou que faria sentido fechar a série dessa forma. Tim me perguntou se eu gostaria de cuidar disso. Eu sou meio que uma escritora relutante, mas decidi aceitar o desafio (com o acordo de que ele não mudaria nada que eu dissesse!).

Então, aqui estão 18 coisas que não me arrependerei de fazer com meu marido.

1. Sair com ele. Como Tim é pastor, normalmente a segunda-feira é seu dia de folga. Mas, como muitos dias de folga, nossas segundas são geralmente preenchidas por tarefas (e, no caso dele, escrevendo). Porém, uma coisa que sempre tentamos fazer é sair de casa para ter um pouco de tempo e um almoço. Eu nunca me arrependerei de separar esse tempo para estarmos juntos.

2. Cozinhar. Bem, na maioria das vezes, ele só assiste. Mas, algumas das minhas memórias mais queridas são de Tim entrando na cozinha com uma cadeira para ficar comigo enquanto eu preparo o jantar (eu acho que ele faz isso subconscientemente também!). As noites de sexta são nossas noites de pizza e filme. Tim normalmente participa e nós fazemos pizza juntos. Eu adoro esses momentos e nunca me arrependerei do tempo que passamos cozinhando juntos.

3. Orar com ele. Eu amo orar com meu marido. Eu amo ouví-lo orar proque eu vejo muito do seu coração quando lhe escuto falando com o Senhor. Eu nunca me arrependerei de priorizar os períodos de oração com ele.

Eu amo orar com meu marido. Eu amo ouví-lo orar proque eu vejo muito do seu coração quando lhe escuto falando com o Senhor.

4. Liberando-o para servir. Esta tem sido uma luta em nosso casamento, e houve momentos em que fiquei ressentida pelo tanto de tempo e atenção que seu pastorado toma. Liberar Tim para servir nossa igreja não apenas permitindo que ele vá, mas acreditando na necessidade e no benefício de seu ministério à igreja o permite funcionar como deveria na posição que Deus lhe deu. Ele é um presbítero, marido e pai melhor quando sente essa liberdade. Eu sei que nunca me arrependerei de liberá-lo para servir.

5. Dar-lhe um beijo de boa noite. Normalmente, Tim e eu vamos para a cama ao mesmo tempo e oramos juntos antes de adormecermos. Muito frequentemente, é mais fácil, no fim de um longo dia, simplesmente virar e dormir. Mas esse beijo de boa noite é uma forma simples e doce de demonstrar afeição. Eu nunca me arrependerei de dar beijos de boa noite em meu marido.

6. Trabalhar juntos em projetos. Desde que começamos a namorar, Tim e eu trabalhamos juntos em eventos ou projetos. Entre projetos de reforma da casa, dirigir negócios ou promover concertos e conferências, nós sempre cooperamos bem. O tempo que passamos trabalhando juntos por um objetivo comum apenas fortaleceu nosso casamento.Trabalhar juntos é algo de que nunca me arrependerei.

7. Cultos domésticos. Eu amo assistir meu marido ler a Bíblia para nossos filhos. Eu adoro assistí-lo interagir com as crianças sobre o texto e, então, orar com elas sobre isso. Eu nunca me arrependerei do tempo que gastamos juntos em cultos domésticos.

8. Rir. Eu amo quando Tim ri. Ele é uma pessoa reservada que normalmente ri baixo e, com pouca frequência, gargalha abertamente. Entretanto, quando ele realmente se diverte, ele tem a risada mais encantadora. Eu valorizo os momentos em que podemos rir juntos.

9. Pedir-lhe perdão. Eu sou uma pessoa orgulhosa, e demorou muito para eu aprender como pedir perdão quando peco contra a pessoa mais importante da minha vida. Eu sou muito grata pela graça e o crescimento de Deus, e oro por crescimento contínuo nesta área. Eu sei e tenho aprendido que nunca me arrependerei de pedir perdão para Tim quando peco contra ele.

Eu sei e tenho aprendido que nunca me arrependerei de pedir perdão para Tim quando peco contra ele.

10. Ser carinhosa. Tim e eu naturalmente recebemos amor de diferentes maneiras. Sua linguagem do amor é toque. A minha não é. Eu tive de aprender o quanto significa para ele que eu demonstre afeição física e eu nunca me arrependerei do tempo usado para mostrar afeto em sua linguagem do amor.

11. Telefonar. Normalmente, eu ligo para Tim quando estou voltando para casa de uma tarde cavalgando ou jogando futebol. Geralmente, ligo quando estou empolgada com minha tarde e quero contar-lhe o que está acontecendo. Eu nunca me arrependerei dos momentos conversando de volta para casa.

12. Aprender com ele. Desde que começamos a sair, há dezoito anos atrás, temos gostado muito de aprender juntos (talvez porque nos conhecemos em uma matéria do colégio!). Embora seja tão difícil encontrar tempo, sempre gostamos de ler um livro ou artigo, ou ouvir um sermão juntos. Eu nunca me arrependerei do tempo que gastei aprendendo com ele.

13. Seguir sua liderança. O âmago da submissão de uma esposa a seu marido é confiar na liderança de seu marido e permitir-se ser liderada. Nosso casamento e nossas vidas funcionam muito melhor quando eu me permito seguir a liderança de Tim. Nos meus melhores momentos, eu sei que nunca me arrependerei de deixar que ele lidere.

14. Apoiá-lo. Há muitas vozes dizendo aos homens quem eles são, mas a voz da esposa é a mais alta de todas. O ego de um marido é bem mais frágil do que geralmente pensamos. Toda esposa aprende rapidamente que ela pode edificá-lo ou demolí-lo com suas obras e atitudes. Eu observo como Tim depende das minhas palavras, e sei que nunca me arrependerei de encorajá-lo e apoiá-lo.

15. Recebê-lo. Cumprimentar Tim quando ele chega em casa no fim do dia é algo em que ainda estou trabalhando. Normalmente, eu me envolvo com o que estou fazendo, mas isso é algo pequeno que significa muito para ele. Eu sei que nunca me arrependerei de receber meu marido com um abraço, um beijo e um “Como foi seu dia?”.”

16. Viajar com ele. Nós ainda temos uma família jovem, mas, às vezes, conseguimos chamar alguém para cuidar dos nossos filhos para podermos viajar juntos. Isso exige muita preparação! Eu passo uma semana organizando refeições e limpando a casa para poder viajar para uma conferência ou outro lugar com Tim. Mas eu amo o tempo com ele e amo vê-lo nesse contexto. Eu nunca me arrependerei de arrumar tempo para viajar com meu marido.

17. Ajudá-lo. Nós temos uma casa agitada com três filhos que exigem e precisam de muito do nosso tempo. E, em todo o caos, eu sei que nunca me arrependerei de tirar tempo para parar o que estou fazendo e unir-me com meu marido para mostrá-lo e aos meninos o quanto ele é importante para mim.

18. Perdoá-lo. Tim peca contra mim, mas quase sempre pede meu perdão. Eu sou muito grata pelo sangue de Cristo que cobre todo meu pecado e muito grata porque ele me ensina que também devo perdoar meu marido. Eu aprendi rapidamente no casamento que quando eu não perdoo, fico amarga. Assim, eu sei e creio que jamais me arrependerei de perdoar meu marido.

Eu sou muito grata pelo sangue de Cristo que cobre todo meu pecado e muito grata porque ele me ensina que também devo perdoar meu marido

Traduzido por Josaías Jr | Reforma21.org | Original aqui

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Grupos do Google
Receba em seu e-mail, Textos Reformados Selecionados
E-mail:
Visitar este grupo