terça-feira, 26 de janeiro de 2016

7 sinais de que você tem tudo para ser um ótimo chefe

Liderança não é um talento, mas uma habilidade adquirida com o tempo e - se você tiver sorte - boas experiências profissionais.
"É uma competência que começa a ser aprendida em casa, na escola, com os amigos e finalmente com os próprios chefes que você vier a ter”, diz José Augusto Figueiredo, presidente da consultoria de recursos humanos LHH|DBM.
Assim, todos nós podemos aprender a ser chefes, garante Jill Geisler, autora do livro “Como se tornar um ótimo chefe” (Editora Sextante) e professora na Loyola University Chicago.
Claro que tempo e boas experiências não bastam: é preciso muito esforço e disposição se tornar apto ao cargo. "Qualquer pessoa tem a capacidade de liderar, desde que aceite trabalhar duro para assimilar os comportamentos e valores exigidos de um gestor", afirma Jill.
Por isso, embora acessível a todos na teoria, o poder costuma ser oferecido a profissionais que demonstrem um perfil claro para o desafio. É no “embrião de líder” que as empresas costumam investir, por meio de programas de coaching e treinamentos especiais.
Mas quais são os sinais de que uma pessoa tem tudo para se tornar uma gestora de sucesso - alguém cuja autoridade não é imposta pelo organograma, mas aceita de bom grado pela equipe?
Veja a seguir alguns traços típicos que denotam preparo para a função:

1. Você se expressa muito bem
Seja para conciliar interesses, seja para motivar outras pessoas, bons chefes precisam ter um excelente domínio da linguagem oral e escrita. De acordo com Figueiredo, poucas competências são tão importantes para a liderança quanto a clareza, a expressividade e a assertividade da comunicação.

2. Você sabe escutar
Não basta saber falar ou escrever muito bem: também é preciso ter os ouvidos sensíveis. “Um líder em potencial absorve o que dizem os superiores, os colegas, os concorrentes”, diz Figueiredo. “Essa escuta também vale para os ambientes, isto é, ele sabe fazer uma leitura inteligente e cautelosa dos jogos de poder na empresa”.

3. Você enxerga o “grande quadro”
Você fica completamente absorvido pelas tarefas do dia a dia ou consegue olhar mais ao longe? De acordo com Geisler, profissionais com potencial para a liderança costumam se interessar pela organização como um todo, da sua estratégia geral às suas relações com a concorrência. “São pessoas com visão e pensamento sistêmicos”, diz.

4. Você expõe problemas - e oferece soluções
Muitos profissionais têm o hábito de se queixar das falhas da empresa onde trabalham e esperar que uma outra pessoa cuide delas. Não é o caso de quem tem jeito para a chefia: além de identificar as lacunas, esse tipo de funcionário se oferecer para repará-las. Em vez de criticar vagamente o que vai mal, ele se precupa com a evolução geral e se engaja para promovê-la.

5. Você é alegre
Pessoas com esse perfil também costumam ter uma personalidade afável e aberta, na visão de Figueiredo. “Elas têm sempre um sorriso no rosto e contagiam os colegas com leveza e bom humor, o que será fundamental para motivá-los e liderá-los no futuro”, explica.

6. Você faz alianças
Geisler diz que há dois tipos de funcionários: aqueles que trabalham exclusivamente com as pessoas do seu círculo mais próximo, e aqueles que buscam fazer pontes com áreas e colegas mais distantes. Os futuros chefes pertencem ao segundo grupo. “Eles sabem o valor da reciprocidade, e oferecem ajuda porque sabem que um dia vão recebê-la em troca”, afirma a professora.

7. Você é visto como alguém ético e trabalhador
O caráter de um líder em potencial é respeitado e admirado por todos. Trata-se de uma pessoa conhecida por sua generosidade, responsabilidade e consistência. “Eles dividem os méritos pelos acertos, assumem a culpa pelos erros e se provam sempre confiáveis”, diz Geisler.

Publicado em Exame


segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Liderança Cristã (mensagem e estudos sobre Presbíteros e Diáconos)

Há uma liderança natural, que, mesmo sendo um dom de Deus, não se restringe aos cristãos. É a capacidade que algumas pessoas têm de inspirar confiança, expor suas idéias, aglutinar pessoas e comanda-las. Há também a liderança cristã, que além desta capacidade, inclui a vocação e a bênção especial de Deus. Vamos comentar sucintamente o que a Palavra de Deus nos diz sobre: (1) A chamada para a liderança, (2) A capacitação para a liderança, (3) O espaço da liderança, e (4) A recompensa da liderança.

A chamada para a liderança
Os líderes cristãos verdadeiros não o são por vontade própria e, muito menos, por ambição ou vaidade. Eles são chamados ou vocacionados por Deus (Jr 1.4,5). Jesus, depois de orar, “chamou os que ele mesmo quis” e “designou doze para estarem com ele e para os enviar a pregar” (Mc 3.13-14). O líder mais famoso da igreja, no primeiro século, identificava-se como “Paulo, chamado pela vontade de Deus, para ser apóstolo de Jesus Cristo” (1 Co 1.1; Gl 1.1). Deus chama os seus líderes e servos onde, como e quando quer: Moisés, no monte Horebe; Samuel, no Tabernáculo de Silo; Paulo, na estrada de Damasco; Pedro, André, Tiago e João, às margens do mar da Galiléia; Mateus, numa coletoria… Cabe-nos somente orar rogando ao Senhor da Seara que chame e envie trabalhadores para a sua seara (Lc 10.2), ou seja, lideranças firmes, santas e eficazes.

A capacitação para a liderança
Vimos que Jesus “designou doze para estarem com ele e para os enviar a pregar” (Mc 3.14). Esta sequência é importante e válida para todos os líderes cristãos, não somente para os pastores ou pregadores. Todos precisam primeiro estar em comunhão com o Senhor. Isto, mais do que estudos e treinamentos, os capacitará para a liderança verdadeiramente cristã.
Pois, como dizia o apóstolo Paulo:
“… a nossa suficiência vem de Deus” (II Co 3.5).
Esta priorização do espiritual não deve ser usada como licença ou justificativa para o despreparo intelectual, técnico ou mesmo existencial. Deus provê oportunidades de treinamento para os seus líderes e servos, às vezes anos antes de chamá-los. Os cristãos vêem estas oportunidades como portas abertas por Deus e, muitas vezes, como direcionamentos para a vida. Sem saber o que Deus faria de sua vida no futuro, Moisés “foi educado em toda a ciência dos egípcios” (At 7.22) e, depois, passou anos nos desertos de Midiã. A educação e a experiência lhe foram muitos úteis quando Deus o chamou e enviou ao Egito para libertar o seu povo e o conduzir por aqueles desertos. Muito antes de sua conversão e chamada para o ministério da Palavra, Paulo foi “educado aos pés de Gamaliel”, um dos maiores mestres do seu tempo (At 22.3). Deus capacita com talentos naturais, dons espirituais e treinamento para lideranças e ou ministérios específicos (Rm 12.4-8; I Co 12.4-11).

O espaço de cada liderança
Deus também define o espaço para cada liderança. Tanto em Rm 12 como em I Co 12, Paulo usa a figura do corpo humano para referir as diferentes lideranças e diferentes ministérios na igreja. Ele escreveu:
“Deus dispôs os membros, colocando cada um deles no corpo, como lhe aprouve” (I Co 12.18).
É como dizemos: “A pessoa certa no lugar certo”. Os líderes e coordenadores de uma igreja precisam conhecer e respeitar as áreas de liderança e ministérios uns dos outros. Não há hierarquia, mas há lideranças mais ou menos abrangentes. Há liderança de lideranças (Não deixe de ler Gl 2.6-9; Ef 4.11-12; Tt 1.5; Hb 13.17; I Pe 5.1-3).

A recompensa da liderança
Uma palavra final de incentivo. O Senhor encoraja e promete recompensar os líderes, ministros e servos fiéis, que cumprem cabalmente a sua missão. Toda liderança, seja na igreja ou no mundo, é trabalhosa, difícil, muito difícil. Além do trabalho em si, há circunstâncias adversas, incompreensões, críticas e oposição. O líder terá momentos de desânimo, vontade de desistir; sentirá solidão e será tentado de muitas maneiras. Coisas da vida… da carne… ou do diabo! Paulo sabia das coisas. Por isso escreveu estas belas palavras de conforto e encorajamento:
“Portanto, meus amados irmãos, sede firmes, inabaláveis, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que, no Senhor, o vosso trabalho não é vão” (I Co 15.58).
Além disso, esse apóstolo, no fim da vida, falou com convicção de sua própria recompensa:
“Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé. Já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor… me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda” (II Tm 4.7,8. Ver I Pe 5.1-4).
Alguém já disse:
“Deus não chama líderes capacitados. Ele capacita aqueles que ele chama.”

Publicado em Pastor Elber Lenz César

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Expert dá 8 dicas para administrar melhor o seu tempo em 2016

Conversamos com Christian Barbosa, especialista em gestão de tempo e produtividade. Ele listou oito passos para organizar melhor o seu dia e ter uma rotina mais equilibrada.

Já estamos em 2016 e você ainda tem aquela sensação de que não viu 2015 passar. Sem contar as vezes que se pegou dizendo que não tem tempo para nada ou respondeu a um amigo que está “na correria”. Será que o tempo é tão curto assim e tudo tão urgente para vivermos sempre correndo? Não, não é. Pelo menos é o que defende Christian Barbosa, especialista em gestão de tempo e produtividade. “O problema não é a quantidade de horas que temos, o que faz a diferença é o uso dessas horas. Estamos trabalhando mal, em maior quantidade, com mais estresse e menos resultados.

Isso tudo porque gerenciamos nosso tempo de forma incorreta”, afirma.

Segundo Barbosa, em um ambiente desorganizado e sem planejamento, as pessoas têm mais chances de ficarem estressadas, sem energia, sem motivação, sem ânimo para os relacionamentos e mal conseguem cuidar da própria saúde. E é daí que vem a impressão de que o tempo está correndo mais rápido. “A pessoa que não organiza as tarefas acaba virando escrava das circunstâncias e tudo se torna uma urgência”, diz o especialista.

A solução? Planejamento. “Algumas pessoas parecem ter medo dessa palavra, pois acham que é uma tarefa muito complicada. Meu conselho é que as pessoas experimentem uma nova forma de gestão, adequada à própria maneira de agir e de se organizar”, afirma Barbosa. Ao fazer isso você trabalhará menos, se planejará melhor e ainda focará no que é realmente importante. O especialista listou oito dicas para administrar melhor o seu tempo e ter uma rotina mais equilibrada, com melhores resultados na vida profissional e, consequentemente, na pessoal.

1 – PLANEJE COM TRÊS DIAS DE ANTECEDÊNCIA
É comum pensar e organizar apenas o "hoje". Mas a recomendação do especialista é começar olhando ao menos três dias para frente. Se você conseguir organizar uma semana inteira, melhor ainda. Na hora de planejar, avalie a duração de cada atividade e não exagere, pois sempre deve sobrar tempo para eventuais urgências que possam aparecer. “A partir do momento que começamos a pensar com antecedência o tempo sempre será um aliado. Se você pensar na última hora, ele nunca vai ser favorável”, diz Barbosa.

2 – ANOTE A SUA PROGRAMAÇÃO
Todas as tarefas devem ser anotadas, pois se você não consegue mensurar e enxergar tudo que deve ser feito, fica impossível gerenciar o tempo. Não adianta tentar deixar tudo gravado na cabeça. Não importa onde você vai anotar seus compromissos. A escolha dessa ferramenta se baseia no estilo de cada pessoa. Segundo o especialista, a ideal é aquela com a qual você mais se identifica. Pode ser uma agenda de papel, um aplicativo ou um software.

3 – AVALIE A AGENDA TODOS OS DIAS
Ao checar seus compromissos diariamente você consegue priorizar tudo o que deve ser feito e checar se existem horas suficientes para cumprir o que foi planejado.

4 – FUJA DA URGÊNCIA
Procure adiantar as tarefas que você precisa realizar e não deixe que o prazo fique curto. Quando chegar ao trabalho, comece pelas atividades mais rápidas e reserve algumas horas para as pendências que, inevitavelmente, surgem ao longo do dia. Depois, foque no que é importante.

5 – CLASSIFIQUE AS TAREFAS
Segundo o especialista, todas as tarefas podem ser distribuídas em uma das esferas do que Barbosa chama de “Tríade do Tempo”. Existem as atividades urgentes – em que o prazo está curto ou acabou; as atividades importantes – que trazem resultado e possuem tempo para serem realizadas; e as atividades circunstanciais – que não agregam valor e fazem você apenas perder tempo. Ele afirma que o foco sempre será reduzir as atividades urgentes, priorizando-as para que sejam eliminadas rapidamente. O passo seguinte é aumentar as tarefas importantes, que ajudam a reduzir as urgências e mantém você equilibrado. E, por último, eliminar as circunstanciais, aprendendo a dizer não ou simplesmente excluindo-as da sua rotina.

6 – PREPARE-SE PARA OS IMPREVISTOS
É muito importante ter um tempo reservado para possíveis imprevistos e urgências. Ao realizar o planejamento das tarefas, não lote sua agenda de compromissos.“Recomendo que você mensure as atividades do seu dia e veja quantas horas tem planejadas x horas disponíveis”, diz Barbosa. Afinal, durante um dia de trabalho podem surgir diversas tarefas urgentes a serem realizadas, que exigirão uma reprogramação da agenda.

7 – APRENDA A DIZER NÃO
Se você, como muita gente, tem dificuldade para dizer não, a dica do especialista é criar o que ele chama de “lista da clareza”. Divida a folha em duas colunas. De um lado, liste todas as ações aceitáveis, e, do outro tudo, aquilo que você negará. Por exemplo: na lista do “sim” considere uma viagem no fim de semana, mudar de empresa... No lado do “não”, coloque aquele curso não muito interessante ou um evento no dia em que a sua agenda já está cheia. Valem momentos do ambiente pessoal e do profissional. O importante é considerar a sua disponibilidade e vontade de realizar tais atividades. A partir do momento que decidir o que fazer, a posição deverá ser mantida. “No início, pode parecer difícil mas esta é uma atitude pequena e simples que começa dentro de você, reafirma a importância da sua resposta e evita conflitos internos”, afirma. Ao aprender a montar esta lista, você vai se organizar melhor e criar recursos para dizer a verdade diante de qualquer situação.

8 – DELEGUE
Apesar de grande parte das pessoas terem um perfil mais centralizador, delegar é de extrema importância. “Quanto mais você delega, mais tempo tem disponível. Com isso, você consegue subir na cadeia de trabalho na empresa e na cadeia de produtividade, pois sobra mais tempo para evoluir em outras áreas da vida”, diz.

Publicado em Marie Claire


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Grupos do Google
Receba em seu e-mail, Textos Reformados Selecionados
E-mail:
Visitar este grupo