segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Bolas, pipas, bonecas e líderes imaturos


Oswaldo Prado Filho

Vez por outra, vem à minha mente o bom tempo da minha infância. Isso já faz muitos anos, mas as marcas permanecem indeléveis. A escola, os amigos, as férias, a igreja que meus pais me levavam para aprender de Jesus. Todas estas coisas estão bem gravadas em minha memória. O tempo passou. Hoje o que me encanta são outras coisas. No entanto, confesso que, quando criança, o tempo de lazer e das brincadeiras pareciam sobrepujar a tudo.
Toda igreja tem uma história de vida. Ela nasce. Desenvolve-se. E alcança a maturidade gerando filhos, netos e bisnetos. Bem, essa deveria ser a história de nossas igrejas. No entanto, há fortes indícios ao nosso redor de que nem sempre isso acontece. Muitas permanecem por muitos anos na infância. Uma experiência desastrosa, mas bem conhecida nossa: “Irmãos, não lhes pude falar como a espirituais, mas como a carnais, como a crianças em Cristo”(I Coríntios 3:1).
Paulo estava se dirigindo a uma igreja, especialmente aos seus líderes. Certamente eles haviam permanecido naquele estágio de imaturidade e criancice porque seus líderes não souberam levá-los à maturidade.
Trabalhando e servindo ao lado de líderes já por muitos anos, noto muitas vezes a ausência de maturidade quando estão capitaneando uma igreja, um ministério ou alguma organização cristã. O resultado disso é claramente percebido. Igrejas que até mesmo estão experimentando crescimento numérico, mas sem profundidade na Palavra e no compromisso com o Reino de Deus.

Líderes maduros levam suas comunidades a amar a Cristo, o grande líder
Algum tempo atrás um pastor compartilhava comigo que uma pessoa de sua igreja o havia procurado depois do culto para lhe agradecer, pois ele havia pregado sobre Jesus. E fazia muito tempo que essa pessoa não ouvia falar de Cristo, mesmo frequentando uma igreja evangélica. Líderes fortes e maduros têm um alto grau de compromisso com Cristo como o maior líder que já existiu. Para estes, a promoção de outros homens e mulheres em lugar de Jesus soa como simples imaturidade.

Líderes maduros rejeitam a hierarquia como pré-requisito de poder
Vivendo já por algum tempo debaixo de uma nova ordem eclesiástica, nossas igrejas estabeleceram um novo paradigma: os títulos e as honrarias. Inverteu-se o mandamento de Cristo. É melhor ser servido do que servir. Esta atitude é sinal evidente daquilo que Paulo chama de carnalidade e criancice. Líderes demonstram maturidade quando se colocam em posição de servos, com o conhecimento de que, desta forma, serão cada vez mais respeitados e amados por seus seguidores.

Líderes maduros concentram suas prioridades nas questões do Reino
Líderes fracos e imaturos pensam tão somente na igreja local ou na organização que servem. Líderes fortes têm a marca do Reino de Deus em suas vidas. Eles não se sentem atraídos pelo canto da sereia desta ou daquela comunidade, ou de algum líder de expressão. As benesses que alguma instituição ou igreja pode oferecer nunca sobrepujará o compromisso em servir o Reino, mesmo que isso implique em sacrifício e dor.

Líderes maduros constroem uma história que tem princípio, meio e fim
Crianças trocam de brinquedos a cada momento. Brigam. Choram quando algo lhes é tomado. Um dos sinais evidentes de um líder maduro é que ele conhece perfeitamente a tarefa que lhe foi confiada. Ele tem a característica de planejar, coordenar, e levar seus comandados a concluírem a tarefa, seja ela qual for. Mais do que isso. Ele zela por sua vida espiritual e moral para que nenhum escândalo possa interromper sua trajetória ministerial.
Bolas, pipas e bonecas. Líderes imaturos sempre vão gostar de festa e de brinquedos. Suas igrejas, como resultado, também não mostrarão sinais de crescimento espiritual genuíno. O que mais precisamos hoje é encontrar homens e mulheres que estejam dispostos a liderar com seriedade e compromisso aqueles que o Senhor lhes tem confiado. Isto acontecendo, poderemos sonhar com um Brasil cheio da presença da glória de Deus e que manifeste os sinais visíveis do Reino.

Reprodução Autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o autor e o site www.institutojetro.com e comunicada sua utilização através do e-mail artigos@institutojetro.com

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Viver ou Juntar Dinheiro?

Max Gehringer

Recebi uma mensagem muito interessante de um ouvinte da CBN e peço licença para lê-la na íntegra, porque ela nem precisa dos meus comentários. Lá vai: "Prezado Max, meu nome é Sérgio, tenho 61 anos e pertenço a uma geração azarada: Quando era jovem as pessoas diziam para escutar os mais velhos, que eram mais sábios. Agora dizem que tenho que escutar os jovens, porque são mais inteligentes.
Na semana passada li numa revista um artigo no qual jovens executivos davam receitas simples e práticas para qualquer um ficar rico. E eu aprendi muita coisa... Aprendi, por exemplo, que se eu tivesse simplesmente deixado de tomar um cafezinho por dia, durante os últimos 40 anos, eu teria economizado R$ 30.000,00. Se eu tivesse deixado de comer uma pizza por mês, teria economizado R$ 12.000,00 e assim por diante. Impressionado, peguei um papel e comecei a fazer contas, então descobri, para minha surpresa, que hoje eu poderia estar milionário.
Bastava não ter tomado as caipirinhas que tomei, não ter feito muitas das viagens que fiz, não ter comprado algumas das roupas caras que comprei e, principalmente, não ter desperdiçado meu dinheiro em itens supérfluos e descartáveis.
Ao concluir os cálculos, percebi que hoje eu poderia ter quase R$ 500.000,00 na conta bancária.
É claro que eu não tenho este dinheiro. Mas, se tivesse, sabe o que este dinheiro me permitiria fazer?
Viajar, comprar roupas caras, me esbaldar com itens supérfluos e descartáveis, comer todas as pizzas que eu quisesse e tomar cafezinhos à vontade. Por isso acho que me sinto absolutamente feliz em ser pobre.
Gastei meu dinheiro com prazer e por prazer, porque hoje, aos 61 anos, não tenho mais o mesmo pique de jovem, nem a mesma saúde. Portanto, viajar, comer pizzas e cafés, não faz bem na minha idade e roupas, hoje, não vão melhorar muito o meu visual!
Recomendo aos jovens e brilhantes executivos que façam a mesma coisa que eu fiz. Caso contrário, chegarão aos 61 anos com um monte de dinheiro em suas contas bancárias, mas sem ter vivido a vida".

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Amar vem antes de liderar


Antônio Carlos Costa

O chamado de Cristo não é para liderarmos, mas para servirmos. A primeira decisão a tomar é aprender a amar. Amor que se expresse através de serviço que viabilize a felicidade daqueles que a providência divina botou em nosso caminho.
O serviço cristão pressupõe amor. Por que cantamos, ensinamos, pregamos, lideramos? Porque temos interesse pela bem-estar das pessoas. Sem amor o trabalho perde o sentido, a canção o brilho, o serviço a espontaneidade, a pregação a originalidade.
Num certo sentido, não há congresso que ensine a amar. Forjar o ser é obra do Espírito Santo. Podemos falar sobre métodos de liderança, princípios de administração, técnicas de composição musical. Mas, amar vem do céu. Deve ser buscado.
Peça amor. Não queira ser grande pregador, exímio cantor, poderoso líder eclesiástico. Procure amar e servir. Aperfeiçoar seu talento para ser útil, em vez de famoso. Somente assim você não perderá sua alma na religião.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Grupos do Google
Receba em seu e-mail, Textos Reformados Selecionados
E-mail:
Visitar este grupo