sábado, 31 de março de 2007

O CRISTÃO E A ÉTICA CONTEMPORÂNEA

Pr. Elinaldo Renovato de Lima

O mundo atual é um mundo marcado pelo relativismo. O certo e o errado nunca foram tão relativos e banalizados. Na realidade, para a maioria das pessoas, o certo e o errado são meras abstrações, conceitos puramente subjetivos, em que os padrões morais, e os valores sociais estão ao sabor de cada um. Vivemos num mundo altamente individualista. Sem dúvida alguma, a filosofia do humanismo e do individualismo prevalece no contexto das relações sociais, econômicas, educacionais, e, até, na religião. Num mundo assim, como o cristão pode ver e viver a ética, fundada em valores cristãos? Não nos parece algo fácil de demonstrar. Mas, neste ensaio, desejamos contribuir para a reflexão sobre esse tema, que é ao mesmo tempo interessante e desafiador.

Conceitos fundamentais

Para escrever sobre ética, necessário se faz que alguns conceitos sejam colocados de início. O principal deles sem dúvida é o da própria ética em si. Que significa ética? A resposta, num ambiente relativista, pode ser: “Depende”. “De que ética estamos falando?” Da ética profissional? Da ética filosófica? Da ética religiosa? Da ética cristã? Mas, para efeito de raciocínio e compreensão, vamos ficar com os conceitos mais comuns da ética em geral, em nosso tempo.

Podemos dizer que “A Ética integra os seis sistemas tradicionais da Filosofia, ao lado da Política, da Lógica, da Gnosiologia, da Estética e da Metafísica. A palavra ética vem do grego, ethos, que significa costume, disposição, hábito. No latim, vem de mos (moris), com o sentido de vontade, costume, uso, regra” [1]. “De acordo com Champlin e Bentes, ética é "A teoria da natureza do bem e como ele pode ser alcançado" [2]; Para Claudionor de Andrade, é o "Estudo sistemático dos deveres e obrigações do indivíduo, da sociedade e do governo. Seu objetivo: estabelecer o que é certo e o que é errado"[3]. Esses são conceitos filosóficos do termo. O tema pretende abordar a “ética contemporânea”, que pode significar a visão ética do homem atual, envolvendo os usos, os costumes, as normas estabelecidas, os valores da sociedade.

“Para o cristão, a ética pode ser entendida como um conjunto de regras de conduta, aceitas pelos cristãos, tendo por fundamento a Palavra de Deus. Para os que crêem em Jesus Cristo, como Salvador e Senhor de suas vidas, o certo ou o errado devem ter como base a Bíblia Sagrada, considerada como "regra de fé e prática", conforme bem a definiram Lutero e outros reformadores” [4].

Um peixe fora d´água?

Certo comerciante cristão me confidenciou, numa viagem que fazíamos, há alguns anos. “É quase impossível o crente em Jesus agir como deve, face às exigências do governo, quanto aos impostos , e à concorrência desleal de muitos empresários”. Indaguei por que, e ele esclareceu? “Se pagarmos os impostos em dia, conforme manda a lei, temos menos lucro que os empresários desleais, que não pagam impostos e, por isso, podem oferecer um preço menor no mercado, atraindo mais fregueses”.

Esse é apenas um exemplo entre muitos de como o cristão sincero encontra dificuldades para se movimentar num ambiente em que as relações comerciais e sociais são desenvolvidas em muitas áreas na base da desonestidade. A Bíblia manda que paguemos impostos ao governo, não adotando a prática da sonegação fiscal. Diz a palavra: “Portanto, dai a cada um o que deveis: a quem tributo, tributo; a quem imposto...” (Rm 13.7). Jesus, o mestre divino, ensinou que devemos dar a César (ao governo), o que é de César (Mt 22.21). Mas aquele servo de Deus estava, na realidade, sonegando impostos, e procurando justificar sua atitude ante a deslealdade dos concorrentes.

Um determinado irmão, crente em Jesus, é funcionário de uma companhia estatal. Como servo de Deus, procura pautar sua conduta pelos princípios da palavra de Deus, não participando da “roda dos escarnecedores”, nem se detendo no “caminho dos pecadores”. Assim, por não participar dos ambientes que seus colegas freqüentam, fora do trabalho, como bares, danceterias, boates, festas mundanas, é considerado “anti-social”, e, por mais de uma vez, já foi prejudicado, inclusive em promoções que a empresa proporciona aos servidores. Por quê? Simplesmente, por não querer ir na “onda” dos incrédulos, que se guiam por princípios humanos contrários à sua fé.

Tenho recebido indagações de alunos cristãos, que são perseguidos, nas escolas de primeiro nível, segundo nível, e na universidade, pelo fato de serem constrangidos a participar de certas atividades escolares. Por exemplo, numa determinada época, nas escolas estaduais e municipais, os professores procuram envolver os alunos, em pesquisas, em reuniões e atividades, sobre a chamada festa do “Halloween”. Essa programação envolve atividades, ditas culturais, folclóricas, e educacionais, que são verdadeiro atentado à fé cristã. É uma festividade, importada da América do Norte, que por sua vez, já a importou de países nórdicos, baseada num enredo que envolve feitiçaria, bruxaria, ocultismo, esoterismo, e muitas outras práticas avessas à palavra de Deus, todas disfarçadas de folclore e cultura.

E os alunos crentes sentem-se constrangidos em participar de tais eventos, pelos seus professores, que os ameaçam de obterem notas baixas nos trabalhos escolares, se deixarem de participar. Para esses “mestres”, festas desse tipo são apenas manifestações culturais, e nada têm de errado. Temos procurado orientar os jovens e adolescentes a não se deixarem intimidar com tais ameaças, e levantarem a voz contra tais atitudes, que nada têm de culturais ou educacionais.

Tenho duas netas, que estudam numa escola de primeiro nível, de grande conceito na Cidade. Elas procuraram sua mãe, preocupadas, pois uma professora as induziu a participar de um “bloco de gays”! Para incutir nas crianças a idéia de que se devem respeitar as “diferenças”, e não ter preconceito, pois, em matéria de orientação sexual, nada é errado. Tudo depende de cada um. Na mesma época, uma professora incentivou os alunos a formarem um grupo de carnaval, intitulado “Bloco dos cães”. Graças a Deus, minha filha foi à Escola, e falou com a coordenação, afirmando que suas filhas não poderiam ser constrangidas a participar daquela atividade, pois iria de encontro à sua formação cristã. E foi respeitada. Num ambiente social assim, o cristão verdadeiro parece sentir-se como um peixe fora dágua.

Que tipo de ética contemporânea é essa?

Certamente, não é a ética cristã. “O cristão, como sal da terra e luz do mundo, tem dificuldade em se movimentar num mundo em que os valores morais estão invertidos. Entretanto, tem a vantagem de não adotar como referencial ético ou comportamento da sociedade sem Deus. Enquanto os referenciais do mundo são movediços, instáveis e mutantes, ao sabor do tempo e do lugar, o guia infalível do crente em Jesus é a Palavra de Deus, que é lâmpada para os pés e luz para o caminho (Sl 119.105). Assim, um crente fiel não só deve fazer diferença, mas seu comportamento deve ser referencial para a sociedade. É grande a responsabilidade, perante Deus, a igreja e o mundo. Para o crente em Jesus a Palavra de Deus é lâmpada e luz para o seu viver” [5].

Quando vemos o Ministério da Saúde informar que, a cada ano, mais de um milhão de adolescentes ficam grávidas, temos de concluir que algo muito sério está destruindo o tecido social. Li, recentemente, que número idêntico de meninas engravida nos Estados Unidos a cada ano. E isso ocorre sem que haja preparo psicológico e físico, até, para esse estado biológico, que exige maturidade, preparo e dedicação, para os cuidados maternais, e paternais, indispensáveis à boa formação dos filhos.

Mas não há nada de especial diante do problema. As razões são bem conhecidas para esse comportamento liberalista e relativista. A educação sexual, ministrada nas escolas, financiada pelo dinheiro dos contribuintes da nação, incentiva a prática precoce do sexo. É uma educação meramente informativa e técnica. Nada tem de formativa, e é totalmente despojada de valores éticos e morais. Só uma coisa é bem ensinada: o uso da “camisinha”. Toda a didática é empregada para mostrar às meninas de doze anos, ou menos, bem como aos pré-adolescentes e adolescente, no sentido de levá-los a praticar o “sexo seguro”, que nada mais é que uma falácia, que leva a muitas vidas ainda em formação ao caminho da prostituição.

A moralidade moderna é um pântano lodoso, em que as pessoas, principalmente os adolescentes e jovens, afundam-se mais e mais. A mídia também dá sua contribuição negativa para a ética e os bons costumes. Nas novelas, o falso “amor livre” é exaltado. A fornicação, o adultério, a prostituição, e o homossexualismo são divulgados, nas programações, ditas culturas, como se fossem algo perfeitamente normal. É comum, em certos programas televisados incentivarem-se os jovens a levarem seus namorados ou namoradas para dormir na casa dos pais, sob o argumento (falacioso) de que é mais seguro do que em outros lugares. É a segurança para a prática do pecado. Naturalmente, para essas pessoas, com essa mentalidade, não existe pecado.

A revista Veja, de circulação nacional (15.09.04), p. 73, divulgou artigo sobre uma pesquisa, realizada nos Estados Unidos, constatando que, em apenas três horas por dia, em média, os adolescentes são submetidos a uma programação em que 64% possuem algum tipo de conteúdo sexual; a pesquisa constata que 46% dos estudantes do ensino médio já praticaram relações sexuais, e 1 milhão de adolescentes ficam grávidas a cada ano [6]. Na mesma matéria, é ressaltado que a pesquisa confirma a influência da programação erotizada na formação dos jovens e dos adolescentes. Os dados indicam que os jovens que “assistem com freqüência a programas com conteúdo erótico são duas vezes mais propensos à precocidade nas relações sexuais do que aqueles que não vêem esse tio de espetáculo porque os pais não permitem”.

A ética contemporânea tem grande influência do antinomismo. Trata-se de uma “abordagem ética, segundo a qual, não existem normas objetivas a serem obedecidas. É a ausência de normas. Tudo depende das pessoas, e das circunstâncias. Jean Paul Sartre, um dos filósofos, defensores dessa idéia, diz que o homem é plenamente livre. Num dos seus textos ele escreve: "Eu sou minha liberdade"... "E não sobrou nada no céu, nenhum certo ou errado, nem alguém para me dar ordens... estou condenado a não ter outra lei senão a minha..." (Geisler, p. 30,31) [7]. Esse tipo de visão encontra abrigo na mente de muita gente, principalmente entre os mais jovens, que anseiam por liberdade, sem refletir muito bem sobre as responsabilidades que nossas ações incorrem. Na rebelião da juventude, na década de 60, os jovens, na França, bradaram: "é proibido proibir". Na onda do movimento hippie, muitos naufragaram, consumindo e consumidos pelas drogas, adotando um estilo de vida paradoxal, que visava, no entender de seus amantes, irem de encontro à sociedade organizada, passando por cima de suas normas e de seus valores.

Como o cristão pode posicionar-se?

Há não muitos anos atrás, e resposta a essa questão seria mais fácil de ser formulada. Hoje, porém, o relativismo tem dominado grande parte das denominações evangélicas. O certo e o errado não são mais vistos como conceitos absolutos. Muita coisa depende da ótica de cada um. Eu estava assistindo uma palestra de certo pregador, numa denominação histórica, quando ele discorria sobre o cristão e a conduta diante dos homens. O mesmo acentuava que havia atitude e comportamentos que contrarias a palavra de Deus, e que o cristão precisava evitar causar escândalo a seu irmão. Naquele momento, uma jovem, daquela igreja, levantou-se e falou: “Eu acho que não deve haver essa preocupação. O que é errado para ele pode não sê-lo para mim”. “O que é errado para mim pode não ser certo para ele”. Tal afirmação é de cunho relativista e subjetivista.

O cristão, na realidade, não pode guiar-se por quase nenhuma das abordagens éticas contemporâneas. O antinomismo não serve como referencial, pois prega a ausência de normas. Nela, o homem se faz seu próprio deus. A Bíblia diz : "Há caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte" (Pv. 14.12). "De tudo o que se tem ouvido, o fim é: Teme a Deus e guarda os seus mandamentos; porque este é o dever de todo homem" (Ec 12.13; ver Pv 4.11,12; 6.23). Depois, é filosofia relativista. Cada um faz o que melhor entende. É o que ocorria com o povo de Israel, quando estava sem líder: "Naqueles dias, não havia rei em Israel; cada qual fazia o que parecia direito aos seus olhos" (Jz 17.6; 21.25). Aliás, em muitas igrejas, já impera o Antinomismo, quando muitos não obedecem a Bíblia, não há respeito a normas, e cada um faz o que acha melhor.

E o servo de Deus não pode ser uma pessoa que vive sem adotar normas de conduta e de comportamento. O generalismo também não serve para o crente em Jesus. “Os generalistas são utilitaristas. Só é certo o que produz melhor resultado (mais felicidade ou prazer do que dor). Uma norma pode ser boa hoje, e não servir amanhã. Depende da sociedade. Se, por exemplo, o adultério é errado, num período, em outro, poderá ser aceito. Dessa forma, pode-se resumir essa abordagem, dizendo que "Há um só fim absoluto (o máximo bem) e todos os meios (regras, normas, etc.) são relativos àquele fim..". Se, nesta situação, mentir seria mais útil ou vantajoso para a maioria dos homens, então se deve mentir" [8].

O situacionismo também não deve ser escolhido como referencial cristão. Em resumo, nessa visão, o certo e o errado, dependem da situação, em função do amor às pessoas. Baseiam-se inclusive na Bíblia, que resume toda a lei no amor (Mt 22.34-40; "O amor não faz mal ao próximo; de sorte que o cumprimento da lei é o amor" (Rm 13.10). Mas o fazem de modo equivocado. Chegam a dizer, por exemplo, que, se uma mentira for contada em amor, é boa e certa. Isso não condiz com a ética cristã, que defende a verdade como valor a ser observado. O absolutismo, outra abordagem ética, prega que existem normas absolutas a serem seguidas, tais como coragem, justiça, verdade, etc. E que não se deve tergiversar em termos do que é absoluto. Em princípio, o absolutismo parece estar em consonância com os princípios bíblicos. Mas é preciso cuidado com os sofismas absolutistas.

Diante da inadequação das abordagens éticas contemporâneas, resta ao cristão procurar guiar-se pelos princípios bíblicos de ética cristã. Conforme tivemos oportunidade de escrever, no livro “Ética Cristã”, editado pela CPAD, encontramos oito princípios éticos, que orientam o comportamento dos que querem servir a Deus num mundo relativista. São eles:

1) O princípio da fé.

S. Paulo, o apóstolo dos gentios, dizia: "Tens tu fé? Tem-na em ti mesmo diante de Deus. Bem-aventurado aquele que não se condena a si mesmo naquilo que aprova. Mas aquele que tem dúvidas, se come, está condenado, porque não come por fé; e tudo o que não é de fé é pecado (Rm 14. 22,23). Nesse texto, vê-se a ênfase na fé ou na convicção do crente diante de Deus, quanto ao que faz ou deixa de fazer. Ele não precisa recorrer a paradigmas humanos ou lógicos para posicionar-se quanto a atos ou palavras. Se tem dúvida, não deve fazer, pois "tudo o que não é de fé é pecado".

2) O princípio da licitude e da conveniência.

Na primeira carta aos coríntios, vemos Paulo ensinar: "Todas as coisas me são ilícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma (1 Co 6.12). Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm" (1 Co 10.23). Esse critério orienta o cristão a que não faça as coisas apenas por que são lícitas, mas porque são lícitas e convém, à luz do referencial ético que é a Palavra de Deus.

3) O princípio da licitude e da edificação.

Diz a Bíblia: "todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas edificam" (1 Co 10.23b). Com base neste texto, não basta que alguma conduta ou proceder seja lícito, mas é preciso que contribua para a edificação do cristão. É um princípio irmão gêmeo do anterior. A ênfase aqui é na edificação espiritual de quem deve posicionar-se ante o fazer ou não fazer algo.

4) O princípio da glorificação a Deus.

"Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para a glória de Deus" (1 Co 10.31). Aí, temos um princípio ético abrangente, que inclui não só o comer ou o beber, mas "qualquer coisa", que demande um posicionamento cristão. No dia-a-dia, sempre o cristão se depara com situações às vezes triviais, que exigem uma tomada de posição.... qualquer atitude ou decisão a tomar, em termos morais, financeiros, negócios, transações, etc., tudo pode passar pelo crivo do princípio da glorificação a Deus, e o crente fiel, na direção do Espírito Santo, saberá responder sem maiores dificuldades. A indagação que o cristão deve fazer, com base nesse princípio, é: "O que desejo fazer ou dizer, contribui para a glorificação a Deus?". Se a resposta for afirmativa, pelo Espírito Santo, a ação ou atitude pode ser executada. Se for negativa, é melhor que seja rejeitada. O que contribui para glória de Deus não fere nenhum princípio bíblico.

5) O princípio da ação em nome de Jesus.

"E, quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai" (Cl 3.17). A condição do crente para realizar ou deixar de realizar algo decorre da autoridade que lhe foi conferida pelo Nome de Jesus. Assim, quando o cristão se vê na contingência de tomar uma decisão, de ordem espiritual, ou humana, pode muito bem concluir pela ação ou não, se puder realizá-la no nome de Jesus, conforme orienta o apóstolo Paulo aos irmãos colossenses.

6) O princípio do fazer para o Senhor.

"E, tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor e não aos homens" (Cl 3.23). Diante de uma atitude, de uma decisão, devemos indagar: "Estamos agradando a Deus a Deus ou aos homens?" Estamos fazendo, de todo o coração, ao Senhor?"A resposta deve ser honesta, consultando, não ao coração, mas à Palavra de Deus.

7) O princípio do respeito ao irmão mais fraco

"Mas vede que essa liberdade não seja de alguma maneira escândalo para os fracos. Porque, se alguém te vir a ti, que tens ciência, sentado à mesa no templo dos ídolos, não será a consciência do que é fraco induzida a comer das coisas sacrificadas aos ídolos? e, pela tua ciência, perecerá o irmão fraco, pelo qual Cristo morreu. Ora, pecando assim contra os irmãos e ferindo a sua fraca consciência, pecais contra Cristo. Pelo que, se o manjar escandalizar a meu irmão, nunca mais comerei carne, para que meu irmão não se escandalize". (1 Co 8.9-13). Desse modo, a questão, segundo o princípio da certeza é: O que pretendo fazer o faço com certeza de fé? E essa certeza é fundamentada na Palavra de Deus? Tem respaldo na Bíblia? Não é apenas fruto de minha consciência falha, ou do meu coração enganoso? (ver Jr 17.9). Se a resposta for positiva, com base na Bíblia, pode ser realizado. Se não, deve ser evitado.

8) O princípio da prestação de contas.

"Mas tu, por que julgas teu irmão? Ou tu, também, por que desprezas teu irmão? Pois todos havemos ide comparecer ante o tribunal de Cristo. Porque está escrito: Pela minha vida, diz o Senhor, todo joelho se dobrará diante de mim, e toda língua confessará a Deus. De maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus" (Rm 14.10-12). O princípio da prestação de contas nos lembra que, no trato com as pessoas ou com as coisas, não só devemos observar a palavra de Deus, mas adverte-nos quanto à inevitável prestação de contas no futuro, e também aqui, no presente.

CONCLUSÃO

No mundo atual, em que os absolutos foram todos desprezados, dando lugar ao relativismo exacerbado, o cristão só pode transitar, e posicionar-se corretamente, se souber observar os princípios éticos, emanados da Bíblia Sagrada. Tudo muda no mundo dos homens. Mas, diante de Deus, sua palavra tem valor absoluto, e pode ser o guia seguro e forte contra os vendavais do relativismo avassalador, que tem invadido, até, os arraiais das igrejas evangélicas. Disse Jesus: “O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar” (Mt 24.3); disse o salmista: “Lâmpada para os meus pés é a tua palavra, e luz para o meu caminho” (Sl 119.105).

BIBLIOGRAFIA

CHAMPLIN, R. N.; BENTES J. M.; Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia, Vol. 4. São Paulo: Candeia, 1995.

DE ANDRADE, Claudionor. Dicionário de Teologia. CPAD, Rio de Janeiro, 1999.

LIMA, Elinaldo Renovato. Ética Cristã. CPAD, Rio de Janeiro, 2002.



[1] Elinaldo Renovato de LIMA, Ética cristã, p. 7.

[2] R. N. CHAMPLIN, & J. M. BENTES, Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia, p. 554.

[3] Claudionor de ANDRADE, Dicionário teológico, p. 121.

[4] Elinaldo Renovato de LIMA, Ética cristã, p. 8.

[5] Elinaldo Renovato de LIMA, Ética cristã, p. 6, 7.

[6] Revista VEJA, p. 73.

[7] Norman GEISLER, Ética cristã, p. 30,31.

[8] Norman GEISLER, Ética cristã, p. 47, apud Elinaldo LIMA, Ética cristã, p. 6,7.

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Grupos do Google
Receba em seu e-mail, Textos Reformados Selecionados
E-mail:
Visitar este grupo