quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Liderança e hipocrisia

De escriba, fariseu e louco, todo mundo tem um pouco. Talvez, por isso, em seu último discurso público, Jesus tenha proferido os oito "ais" contra os falsos religiosos. A expressão "ai de vós" tem tanto um sentido de denúncia, quanto de tristeza do coração do Senhor. Tanto é expressão de advertência, quanto de dor. Tanto aponta o inevitável juízo que trazem sobre si aqueles que vivem a falsa religião, quanto revela o dano causado sobre os que os seguem. Cristo traz importante posicionamento contra a mentira, hipocrisia e falsidade. Assim, vejamos:
Ai dos que pregam a salvação por obras (23.13) - o sistema farisaico baseado em centenas de leis tornava impossível ao povo cumprir a "vontade" divina, fechando as portas de acesso a Deus. Só a graça de Deus estabelecida em Cristo abre a porta de acesso ao reino. Qualquer pregação que busca a justiça própria no cumprimento da lei recebe um "ai" de Cristo.
Ai dos que comercializam a fé (23.14) - essas autoridades religiosas cobravam tributos pesados de viúvas, ou reivindicavam parte em sua herança, tudo em nome das "longas orações". Todo o tipo de serviço religioso que cobra por seu favor e dons recebe um "ai" de Cristo.
Ai dos que buscam seguidores de si mesmos (23.15) - ao invés de conduzir a Deus, os judaizantes arrebanhavam seguidores e prosélitos da instituição, adeptos e partidários de seus próprios interesses. Todo aquele que prega sua instituição, denominação ou sua própria liderança acima de Deus recebe um "ai" de Cristo.
Ai dos que fazem falsos juramentos (23.16-22) - ao invés de ensinar o princípio de cumprir o que se promete, os fariseus encontraram uma fórmula de capacitar o povo a jurar sem a intenção de manter a palavra. Todo aquele que vive enganando disfarçando-se na pele de honestidade recebe um "ai" de Cristo.
Ai dos que confundem as prioridades (23.23-24) - os escribas e fariseus buscavam cumprir os detalhes da lei, como dizimar sobre a ninharia da hortelã, mas deixavam de lado atitudes essenciais como a justiça, a misericórdia e a fé. Todo aquele que coa o mosquito, mas engole o camelo recebe um "ai" de Cristo.
Ai dos que praticam rituais vazios (23.25-26) - a religiosidade fora reduzida à mera obediência de certos rituais que disfarçavam as atitudes pecaminosas e vergonhosas movidas por ganância e extorsão. Todo aquele que negligencia a busca constante de purificação do coração recebe um "ai" de Cristo.
Ai dos que mantém falsa aparência (23.27-28) - tais religiosos preocupavam-se demasiadamente com a imagem externa de pureza, mesmo que estivesse maculada com a imoralidade de pensamentos e intenções. Todo aquele que vive em pecado e quer manter uma imagem de santo recebe um "ai" de Cristo.
Ai dos que rejeitam os profetas (23.29-34) - os fariseus diziam honrar seus pais na fé, seus líderes profetas, mas a própria morte de Cristo deixaria evidente que isso não passava de mentira. A santidade da presença de Jesus trazia exposição à iniquidade daqueles falsos religiosos. Todo aquele que rejeita os santos e irrepreensíveis que Deus levanta recebe um "ai" de Cristo.
Jesus é cheio de misericórdia, mas também é todo justiça. É pleno em compaixão, mas também é puro e santo. Ele nos aceita como estamos, mas nos ama o suficiente para não nos deixar desse mesmo jeito. Somos salvos somente por sua graça, e somente por causa dessa graça é que crescemos em santidade. Assim, porque ele está vivo e presente em nossas vidas, podemos ser transformados de escribas e fariseus em verdadeiros discípulos!

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Aparência e obediência

 Armando Altino da Silva Júnior
 

  "E, saindo ele do templo, disse-lhe um dos seus discípulos: Mestre, olha que pedras, e que edifícios!E, respondendo Jesus, disse-lhe: Vês estes grandes edifícios? Não ficará pedra sobre pedra que não seja derrubada." Marcos 13:1-2

Quando olho para esta passagem penso naquelas situações quando chegamos felizes da vida para mostrar algo para alguém e esta pessoa diz " é só isto?" Lembro-me do dia que passei no vestibular e estava todo empolgado, comprei o jornal do dia, recortei a lista com meu nome e fui mostrar para meu pai que disse apenas um: "tá bom". Isto é muito frustrante.
Um dos discípulos chega para Jesus todo empolgado e diz:  " Senhor olha que coisa linda, que construção perfeita, que beleza arquitetônica". Ao que Jesus responde sem rodeios: "Não ficará pedra sobre pedra". Ou seja, é bonito mas vai ao chão. Penso que este discípulo deve ter ficado muito chateado, pois uma construção tão bonita, algo que custou tanto e Jesus não fica nem com dó de dizer isto.
Já percebeu em quantas coisas que nos apegamos tanto, que damos tanto valor, coisas que achamos que vai dar certo, que vai agradar muito ao Senhor, mas para Deus é apenas areia e pedra? São percepções diferentes.
Existem situações em que achamos que tudo está muito bem - por causa da aparência - que está muito certinho e não tem como melhorar, mas o olhar de Deus declara que é necessária a destruição. Às vezes não entendemos isto, aparentemente a visão é boa, é só Deus assinar em baixo dizendo: "tá bonito mesmo" e pronto. Mas, esta aparente beleza que nos empolga tanto, não empolga a Deus.
Tem muita coisa que vemos dentro das igrejas  e que as pessoas dizem: "que maravilhoso, que benção" e para Jesus não passa de barulho e vento, coisas que não possuem alicerce.
É Interessante notar como podemos sair de casa com a meia furada mas não saimos quando nossa camisa está rasgada. Há muitas coisas que enchem os nossos olhos, mas não toca em nada o coração de Deus, "porque o SENHOR não vê como vê o homem, pois o homem vê o que está diante dos olhos".
Deus não se impressiona com a suntuosidade humana, ele prefere corações maduros e obedientes.
A aparência não conta
Nós gostamos de construções, de beleza, de títulos, porque isto nos dá a sensação de aprovação divina, porém "Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte." Prov. 14:12. Jesus não se impressiona com aparência ou com a beleza. Davi era o mais feio dos seus irmãos, tanto era assim, que a única coisa que Samuel viu de bonito em Davi depois de olhar bem, foram os olhos.
É fácil identificar aquilo que precisa ser destruído e acertado, quando as coisas não vão bem ou tudo está feio. O problema é quando as coisas estão parecendo bonitas, quando  tudo está certinho e arrumado. O fato é que Deus não quer que vivamos de aparência, Ele olha mais fundo em nossos corações e ainda que tudo superficialmente pareça acertado, Ele pode identificar vasos que precisam voltar para as mãos do Oleiro.

Original em: http://www.institutojetro.com/

Líder: Abra mão dos seus sonhos

Ednilson Correia de Abreu
 

Ao longo do tempo temas e linguagens vão sendo  assimilados no contexto evangélico e alguns destes ganham bastante popularidade. Um destes termos que percebo ganhou muito espaço através de músicas, escritos e pregações é o tema da busca, realização e conquista de sonhos.
Esta é uma linguagem bem atual do vocabulário dito cristão. É muito comum vermos pregadores, cantores e ministros de adoração comovendo o povo com expressões ligadas à conquista, realização ou reconstrução de sonhos.
Esta é uma linguagem bem atraente, afinal quem não tem desejos a serem realizados em sua vida, e ao chamar estes desejos de sonhos e encorajar as pessoas a buscarem-nos tocamos em um ponto bastante sensível do ser, e por isso, via de regra, ocorre uma resposta imediata do povo. Temos de olhar isso tudo com equilíbrio e biblicidade.
A Bíblia nos ensina que a nossa vida só ganha propósito e sentido verdadeiro quando vivida para a glória de Deus (1Co 10.31, Ef 1.11-12 ). Daí  temos um norte a seguir nesta questão. Sonhos de verdade, só são válidos se estes forem gerados por Deus e tiverem como alvo maior a glória do próprio Deus no cumprimento dos seus mais altos desígnios.
Dentro de um contexto contemporâneo onde o evangelho tem sido deturpado pela centralização do homem  e o destronamento de Deus, falar de realização de sonhos como mera realização dos desejos e anseios  meramente humanos, e muitos deles egoístas e materialistas é um grave erro para um verdadeiro cristão e só alimenta e é alimentado por este espírito dessa era antropocêntrica.
A Bíblia nos fala de muitos  homens e mulheres que sonharam, mas sonharam os sonhos de Deus,ou seja,  sonhos que os alinhava com os santos,maravilhosos e extraordinários propósitos do Senhor. Pessoas como Noé, Abraão, Sara, Ana, Ester, Samuel, Elias, Neemias, Esdras, Zorobabel, Isaias, Jeremias, João batista, Paulo, Pedro, João e tantos e tantos outros. Lembramos também de pessoas   como John Stott, Jonathan Edwards, Willian Carey. No Brasil Pr. Krieger, Pr.Miranda Pinto e sua esposa irmã Tabita kraule, Pr. David Gomes e mais e mais sonhadores de Deus.
Deus tem prazer em gerar sonhos nos corações dos seus amados servos, mas para isso ocorrer precisamos muitas vezes abrir mão de nossos sonhos e receber os sonhos de Deus de verdade. A Bíblia diz: "Jesus dizia a todos: "Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome diariamente a sua cruz e siga-me." Lucas 9.23
Ai sim estaremos no caminho Bíblico de viver para a glória daquele que é digno de  todo o nosso ser.
Ao vivermos focados e centrados em nós mesmos buscaremos apenas os nossos próprios sonhos. Centrados em Deus, os sonhos de Deus haverão de ser nossos também e assim irão direcionar as nossas vidas e fazer de nós pessoas plenas e felizes, porque abrimos mãos de sonhos vãos, vazios, egoístas, enganosos e até pecaminosos e receberemos sonhos grandiosos, maiores do que nós, sobrenaturais até, porque são sonhos de Deus. Portanto, abra mão de seus sonhos, busque os sonhos de Deus para você. Ai está a felicidade.

Reprodução Autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o autor e o site http://www.institutojetro.com/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Grupos do Google
Receba em seu e-mail, Textos Reformados Selecionados
E-mail:
Visitar este grupo